Tag-Archive for » cabelo crespo «

Início de transição…

Hoje vou falar sobre algo que, pela terceira vez em menos de um ano, vou tentar fazer: voltar a ter os cabelos naturais.

Meu cabelos são cacheados e têm os fios da “coroa” e da parte da frente da cabeça extremamente grossos (daria para empinar pipa com eles). Já nas laterais e na nuca, os fios são bem fininhos.

Minha relação com meu cabelo sempre foi complicada. Eu era muito magra, tinha orelhas de abano, muito dentuça era feia pra caralho, e nunca consegui me acertar com meus cabelos. Meu sonho era poder usá-los soltos para poder esconder as orelhas, e de vez eu quando eu me arriscava nesta empreitada…mas aí aparecia um filho da puta alguém e me chamava de Maria Bethânia (cantora sublime, mas digamos que não é alguém com quem uma adolescente quer se parecer). Eu ficava possessa. Quando eu tinha sorte e me acertava provisoriamente com algum cabelo, algum anjo falava que eu tinha os cabelos da Ana Paula Arósio. Aí eu achava legal.

Já fiz progressiva, usei alisante de farmácia, comprei Wellastrate pra relaxar em casa, já experimentei muitas marcas de produtos capilares… enfim, já gastei muita grana com cabelo (e continuo gastando até hoje). Às vezes eu comprava um shampoo da Kerastase carésimo, e ficava extremamente frustrada com o resultado. Ou então usava aquela linha antiga para cabelos pretos da Seda e até que ficava bonzinho. Mas a verdade é que nunca soube cuidar dos meus cabelos.

Hoje, lendo tantos fórums e blogs sobre cabelos cacheados e crespos, é fácil concluir que só não se gosta deste tipo de cabelo por não saber cuidar corretamente dos fios.  Mas em 1998, por exemplo, isso sequer existia.

Lembro-me da primeira vez que fiz a tal da escova de chocolate, em Maio de 2006. Meu cabelo ficou imenso, lindíssimo, e eu saí do salão estonteante. Me senti uma diva, superfeminina, todos me elogiaram. Mas tive que lavar o cabelo, e a vida voltou ao que era antes. Na verdade, ficou um pouquinho pior, pois meus cabelos ficaram com uma textura estranha, parecia “vidro”, e bastante quebradiço L

Lá pro final de 2007 comecei a ler nos fóruns do Orkut sobre henê, e os resultados pareciam promissores. Eu nunca tive vontade de ser ruiva ou loira, e ter que ficar com os fios permanentemente pretos não me pareceu má idéia, especialmente pelo fato de que eles ficariam lindamente lisos e brilhosos se eu me desse bem com a química.

Pois bem, em Abril de 2008 passei henê pela primeira vez. Usei diversas marcas, sem muita regularidade, e meus fios ficaram definitivamente lisos em no final daquele ano. Parecia um sonho lavar os cabelos e eles continuarem lisos. E acordar de manhã e pode pentear o cabelo, sem precisar passar gororoba nenhuma? E a facilidade de ficar com “cara de limpa e arrumada” (sim, esse preconceito existe mesmo)?

Ocorre que, quatro anos depois, cheguei a um fim de ciclo, e por diversos motivos.

Primeiramente, não tenho qualquer crítica a fazer ao henê. Como qualquer química, os cabelos ficam mais suscetíveis a quebra: impossível fugir disso.  Simplesmente não tem como usar qualquer química de transformação (henê, tioglicolato, guanidina, etc) e fugir das rotinas de hidratação e reconstrução, além de escolher cuidadosamente shampoo e condicionador. Um período de desleixo com hidratação e nutrição e exagero na reconstrução, por exemplo acarretaram uma quebra incrível nos meus fios, que se partiam da metade. Mas, como já dito, não culpo o henê, e sim o excesso de reconstruções sem a devida hidratação.

Aí eu não conseguia mais ficar com os cabelos compridos, no meio das costas, coisa que bem ou mal acontecia quando meus fios eram cacheados. E sempre amei cabelos compridos.

Surgiu também outro fator que me incentivou a voltar aos cabelos naturais: RETOQUE DE RAIZ É UM PORRE. O henê tem o poder de manchar TUDO. Mancha piso do banheiro, o boxe, a pia, a porta, a roupa, a pele. Mancha até as unhas na hora de lavar os cabelos. Sem contar que continua saindo uma água preta nas 2 ou 3 lavagens seguintes à aplicação.

Ah, é bom dizer que nunca tive problema com cheio (sorte!).

Por curiosidade, passei a ler fóruns no orkut e fora dele sobre cabelos cacheados, e um novo mundo se revelou para mim. Li sobre rotinas low poo e no poo. Li sobre técnicas de modelagem. Li sobre óleos  e manteigas essenciais e óleos vegetais. Então pensei, se com esse monte de gente tá dando certo, tá na hora de eu me dar mais uma chance de ter os cabelos naturais, cuidando deles de forma diferente.

Tentei duas vezes até agora. Em ambas, não passei dos  quatro meses. Henê/alisamento parece cachaça.

Um problema óbvio é a conviver com os cabelos com duas texturas, especialmente se você esqueceu a sensação tátil do seu fio natural. A raiz fica uma bucha, contrastando muito os fios totalmente lisos.

Um outro problema, que não é comum a todas as pessoas com os cabelos em fase de transição, são os fios brancos.  Estimo ter cerca de 30% dos fios da cabeça branquinhos ( e olha que fiz 30 anos em Abril). “Ah, Luciana, pinta ué”. Eu tinha que explicar que não rolava, que não era bem assim, que o henê é incompatível com praticamente todas as tintas do mercado.Tentei natucor (porcaria) e não durou uma semana.

Tenho uma faixa enorma e grossa de fios brancos, que vai da parte da frente até a coroa, tipo Mortícia. Sem poder pintar, com raiz branca e crespa e os fios alisados, eu fico com aspecto de “senhora que vai ao parque alimentar pombos e fazer amizade com eles”.

Mas enfim, hoje oficialmente é minha terceira e última tentativa de deixar os fio naturais (e digo última porque dessa vez não volto atrás, vou até o fim).  Sei que vai levar pelo menos uns dois anos pro meu cabelo atingir um cumprimento razoável. Sei que não vou poder usá-los soltos. Sei que vou ter que usar a porcaria do Natucor mesmo (Ou Bigen, nesse eu tenho mais esperança). Sei que minha mãe vai falar pra eu voltar com o henê por que “com essa raiz pixaim não dá”. Mas sei que, no final, vai valer a pena. Eu adorei, nas outras tentativas, ver o cachinhos se formando na nuca :) Além disso, hoje sei me maquiar um pouco, o que vai ajudar a desviar o foco e fazer com que eu me sinta menos mal.

Bem…  voltarei aqui MUITAS vezes ou pra reclamar ou para comemorar o avanço do tempo e o crescimento do cabelo. Até!